31 de maio de 2017

Uma carta de agradecimento esquisita e envergonhada // 12 cartas em 12 meses

Olá, seres humanos! Como vai a vida de vocês? Eu não sei direito como vai a minha, na verdade. Mas estou bem ocupada. Amanhã terei uma prova meio preocupante e o resto da semana estarei atolada em coisas pra fazer e eventos pra comparecer(achei isso tão chique hahaha mas na verdade, preferia estar belíssima em casa e tendo tempo pra ver Netflix). Não quis de jeito nenhum atrasar o post do projeto, mas infelizmente eu vou parar de postar na mesma frequência que eu posto nas férias, por exemplo. Vai ter um post semanal, com certeza, e os outros a gente se esforça pra ter ~oremos~ Vocês sabem que não sou de colocar qualquer coisa aqui, eu tenho que querer e ter algo pra falar. Mas enfim, estou feliz de não atrasar o projeto, pelo menos isso!
  • Maio: Uma carta para nunca ser enviada.

Olá irmã,
Você provavelmente nunca vai ler essa carta. Ela vai se perder no meio de diversos posts e eu nunca vou mostrá-la a você, porque sou a pessoa mais covarde do mundo pra falar em amor. Você também é. Mas eu entendo, e te admiro muito por não ter vergonha disso, apesar de que não sei se isso lhe é tóxico ou não. Mas não é sobre amor (não especificamente) que quero falar e nem sobre as diversas coisas que admiro em você. Essa é uma carta de gratidão. Num mundo ideal eu lhe falaria tudo isso, mas como eu me conheço bem, eu sei que essa informação não vai chegar à você por mim, mas espero que você saiba.
Quando eu tinha sete, oito anos, você começou a trazer livros pra mim da biblioteca da sua escola. Me lembro de todos eles, inclusive dos que você trazia pra si mesma, maioria de mitologia grega ou do seu tão amado Machado de Assis. Um desses dias, foi muito marcante pra mim. Você estudava à noite e me disse antes de sair que me faria uma surpresa. Eu passei as quatro horas de sua ausência impaciente, andando de um lado pra outro na casa, sem tirar os olhos da porta. Quando você chegou, trazia três livros: A Normalista, o seu livro, A Casa da Madrinha, o livro da minha outra irmã, e finalmente minha surpresa, O Máscara de Ferro de Alexandre Dumas! Eu fiquei tão animada que quis começar a ler o livro no mesmo momento! Mainha tirou o livro das minhas mãos, guardou-o na estante e disse que eu só poderia ler pela manhã. E você sabe o quanto foi difícil pra mim dormir naquela noite! Levantei tantas vezes só pra olhar o livro que mainha quase desiste de me fazer dormir! Mas enfim, a manhã chegou, e eu agradeço muito a você por ter me apresentado às estórias que mudaram a minha vida. Sem você, eu não sei se seria leitora hoje. E se eu não fosse leitora, eu não sei quem eu seria.
Foi você quem comprou o nosso primeiro DVD de O Fantasma da Ópera e quem achou o primeiro exemplar do livro. Se você não amasse o menino Assis, eu possivelmente não teria lido (e amado) Dom Casmurro tão cedo. Você quem me ensinou a amar bibliotecas e depois me implorou pra te levar na Bienal comigo quando eu virei mediadora da biblioteca da escola (e eu nunca negaria), sem seu amor pela escrita, talvez eu não escrevesse, foi você quem me deu essa parte que me transformou e transforma até hoje. E eu não sei se um dia eu posso te dar tanto. 
Você ainda me leva mais pra dentro desse mundo, e agora que é professora de Literatura, me enche de orgulho por estar fazendo com diversas crianças, o que você fez comigo e com Thâmara*.
No próximo aniversário, você vai me perguntar o que eu vou querer, e eu vou pensar que você já me deu o melhor presente, mas não vou te dizer isso, infelizmente.
Você vive se achando pequena, mas quando eu era criança, você me parecia gigante. Hoje, adulta, eu percebo que você não parece, você é. Um dia, você vai perceber isso também.
Obrigada infinitamente, 
Thainara (sua irmã mais irritante hahaha)

*Thâmara é minha irmã gêmea

8 comentários:

  1. Ai que carta mais linda! Tem certeza que ela nunca vai ler? Ia ser uma surpresa e tanto. Meu irmão mais velho também era quem trazia livros e filmes diferentes, e acho que hoej gosto tanto de literatura e tecnologia por influência dele. Acho que ele me influenciava mais que a minha mãe, até. Ele também sempre me pareceu gigante e hoje em dia vejo que ele realmente é, em todos aspectos :)
    E ah, nem me fala da vida corrida! Eu já não sei se posto no blog (coisa que adoro), se visito o das amigas (que também adoro) ou se aproveito pra dormir (AMO) ahahaha Boa sorte nas provas e tarefas!

    Beijinhos :)
    http://tipsnconfessions.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tenho certeza nem se esse post vai continuar aqui hahaha
      Que maravilhoso, né? Uma das (poucas :3) vantagens de se ter irmãos!
      Eu tô no mesmo dilema, só inclua a faculdade ai hahaha
      Obrigada!!!

      Excluir
  2. JÁ QUERO FAZER UMAS MALICIAS COM THAMARA E MOSTRAR PRA ELA!
    Meninaaa que lindo! Eu não sabia que tua irmã tinha te apresentado ao maravilhoso mundo da literatura! Acho muito lindo tu ter ela pra ter feito isso <33
    Eu nem lembro quem me apresentou aos livros. Acho que foi eu mesma que fui criança ter curiosidade pra ler tudo que poderia ser lido em casa e comecei a pegar livrinhos na escola haha.

    Beijos de uma pessoa que shippa um novo casal,
    Próxima Primavera

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tu tá nem doida!!! hahahahaa
      Minha irmã é topissima <3
      Antes de ler literatura, eu lia umas revistas da Claudia escondido da minha mãe hahah ai aprendi umas coisas....

      Excluir
  3. Oi, tudo bem?
    Adorei vc falando que preferia estar em casa vendo Netflix, tb sou assim HAHAHAHAH
    Que carta linda!!! É muito difícil expor o que sentimos né?? Mas amor e gratidão são essenciais mesmo!
    Adorei, fiquei emocionada!
    Beijos
    www.somosvisiveiseinfinitos.com.br
    Vídeo novo: https://www.youtube.com/watch?v=YnyN6rbpF70

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahaha
      Sim, é bem difícil e constrangedor.
      Obrigada!! :3

      Excluir

By a Lady.... Tecnologia do Blogger.
Se Esse Mundo Fosse Meu... © , All Rights Reserved. BLOG DESIGN BY Sadaf F K.