27 de agosto de 2017

Hoje tudo o que me resta de você, são linhas emocionadas nas notas do meu celular

Você chega tão abruptamente. Você me vem sem motivo nenhum. 
Em qualquer lugar que eu estou, tenho que parar porque você desata a se expandir dentro de mim, sinto como se eu fosse explodir a qualquer momento. Então me afasto da conversa animada dos meus amigos e abro as notas do meu celular, e lá está você, escorrendo pelos meus dedos até que eu recupere o fôlego novamente.
Quando estou prestes a voltar o celular para o bolso, tenho uma vontade doida de falar contigo. Eu não consigo nem te olhar por mais de um segundo quando está na minha frente, mas eu sei que aquele aparelhinho na minha mão pode me levar até tu sem muita complicação. Quero mandar mensagem porque mesmo que você nem leia ou nem me responda, tu vai ver o meu nome apitando na tua tela, e vai pensar em mim como eu pensei em você. Mas recobro minha sanidade e devolvo o celular pra a o bolso de trás do meu jeans. Só que essa cena se repete o dia todo.
Se não são suas invasões violentas na minha cabeça, então alguém fala teu nome na rua (Pra quê um nome tão comum pra a pessoa menos ordinária que eu conheço?!). Ou eu vejo qualquer coisa na aula que me lembra alguma conversa nossa, alguma piadinha particular. E o meu celular pesa no meu bolso, quase se retorce. Parece até que a coisa toma vida e que vai acabar te mandando mensagem se eu mesma não arrumar coragem. E eu tento esquecer e até consigo por um momento. Fico muito feliz e cheia de esperanças de conseguir viver sem nenhum rastro teu me atormentando.
E ai meu celular toca e o meu coração volta a bater mais rápido que o Olodum. Eu sei que não é você e isso me enche de raiva. Quero fazer seu coração se descontrolar também.
Abro o WhatsApp. Rolo as conversas pra baixo até te encontrar. Sinto falta de quando você estava sempre no topo.
Você foi visto pela última vez às 18:45
Oi
Não, não. Apago. Escrevo de novo. Você fica online e saio do aplicativo desesperada.
Mas volto. Eu sempre volto.
Td bem ctg?
A internet cai. O universo está a meu favor hoje. Desisto.
No fim do dia, cansada, desligo o celular antes que eu passe a madrugada toda relendo nossas conversas e o guardo na gaveta (Guardo também meu sorriso já automatizado e a eu que inventei pra proteger a que está caindo aos pedaços). Eu nem preciso reler nada, porque me lembro de absolutamente tudo que nós dissemos e às vezes, eu até acho que imagino também. Passo um tempo fantasiando o que eu deveria ter te dito e o que eu gostaria de receber de você. Dá uma fome danada do que a gente tinha e eu só quero pegar o celular de novo, pra ver pelo menos tua foto, sei lá. Ele faz barulho na gaveta, se mexe, parece que está forçando a barreira com toda força pra que eu não resista. Juro que não preciso dele, que tenho que me recuperar de tu primeiro.
Ele me faz mal, então deixa ele ai.
Mas quando acordo, de ressaca de você, não consigo deixar aquela merda em casa. Volta pro bolso.
Vai que tem uma emergência.

*Preciso escrever o post do 12 cartas em 12 meses, mas parece que tenho tudo e nada pra dizer ao mesmo tempo. Até eu achar um jeito de """organizar""" o que eu quero pra o texto, fiquem com essa minha divagação meio esquisita pós-aula de Comunicação e Culturas Populares.*

6 comentários:

  1. Que bela divagação x) Acho que todo mundo que tem/já teve um crush passou por isso. Essa angústia do celular e querer logo que a conversa vá adiante. Sempre gostei mais de falar pelo celular, escrevendo, do que ao vivo, acho que a gente se sente mais confortável e corajoso por trás dele x)

    Boa semana!
    tipsnconfessions.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! :3
      Nem precisa ser um crush né? Basta você se importar tanto com a pessoa, a ponto de parar de se importar com você mesma.
      Gosto muito da virtualidade também, mas às vezes, eu prefiro fazer as coisas como antigamente ashuahua

      Excluir
  2. Que texto lindo, amei ��

    http://submersa-em-palavras.blogspot.com.br/?m=1

    ResponderExcluir
  3. Dona Thainara, o que é isso?
    Então quer dizer que a senhora escreve cartas românticas que fazem a amiguinha chorar e nem avisa assim em uma conversa qualquer? Sabe o que é pior? Se tu tivesse escrito isso tipo 3 meses atrás eu ia ler e ficar tipo "aaaai que bonitinho", mas hoje? Meu amor, hoje eu fiquei chocada na precisão aí que descreve esse nosso dilema de mandar mensagem ou não. No meu caso acontece tudo isso e depois eu ainda recebo um "oi" e aí eu NÃO VOU RESPONDER! e vou lá e respondo 1 segundo depois porque sou trouxa. Por que somos trouxas? Um dia eu descubro hahahah

    Beijos de sua fã recém chegada da aula de Introdução ao Audiovisual,
    Próxima Primavera

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso sou eu sendo uma vagabunda que não presta atenção nas aulas hahaha
      É foda né ashuashua parece que passar por isso é um pré-requisito pra ser adulto.
      A gente é trouxa mas todo mundo é trouxa também, até o Edgar Allan Poe era trouxa.
      Aiiin <333

      Excluir

By a Lady.... Tecnologia do Blogger.
Se Esse Mundo Fosse Meu... © , All Rights Reserved. BLOG DESIGN BY Sadaf F K.